Publicado por: Prynce H. | 15/06/2009

Biografia – Bengalim Do Japão

bengalim

O Bengalim do Japão também designado por Capuchinho do Japão é a mais difundida em cativeiro de todas as aves exóticas. Esta espécie não existe em estado selvagem, não porque tenha sido extinta, mas sim porque nunca existiu. A origem do Bengalim do Japão é um pouco controversa, sabe-se que surgiu à muitos anos no Japão e resulta do cruzamento de diversas espécies do género Lonchura e Spermetas que, a partir de exemplares férteis deram origem a esta espectacular ave com cerca de 11 centímetros, aproximadamente. O bengalim é a principal razão para o sucesso da maioria dos criadores de aves exóticas, isto porque, a maioria delas nem sempre se revelam bons progenitores, ou porque abandonam os ovos em caso de inspecção do ninho. Com a utilização de bengalins como madrastas, todos estes problemas deixam de existir, pois esta ave revela um enorme instinto procriador, alimentando quase que qualquer bico que lhe seja colocado no ninho, têm ainda a vantagem de muito dificilmente abandonarem o choco, por mais inspecções que sejam feitas ao ninho. Estas características fantásticas fazem com que os bengalins sejam famosos pela sua capacidade como pais adoptivos para outras espécies mais complicadas de exóticos, cuidando assim de uma forma soberba os ovos e/ou crias de outras aves (ditas compatíveis), se estes forem colocados no seu ninho.

Trata-se de uma ave extremamente prolífera, se lhe for permitido cria durante todo o ano.Para além do citado e, ao contrário de muitas outras espécies exóticas, o bengalim procria excelentemente em gaiolas, sendo preferível manter apenas um casal por gaiola (*). O ninho é construído numa caixa de ninho fechada ou semiaberta, utilizando diversos materiais como feno e fibra de coco. A fêmea põe entre cinco a sete ovos, que são chocados por ambos os progenitores. Quando as crias atingem as seis semanas de vida podem e devem ser separadas dos pais pois, a fêmea, normalmente, já se encontra a chocar novos ovos e as crias têm tendência para frequentar os ninhos dos progenitores.

Quanto a cuidados com a alimentação, o bengalim não é menos exigentes se comparado com outras aves exóticas, a principal diferença consiste na sua extraordinária capacidade de resistência. Devemos para além da mistura para exóticos oferecer-lhes aveia descascada, milho painço, algum alimento verde, um suplemento proteico que normalmente será uma papa das disponíveis no mercado e grit sempre à disposição, de modo a que as aves possam satisfazer as suas necessidades digestivas.

A diferenciação dos sexos só é possível pelo comportamento, trata-se de uma ave sem dimorfismo sexual onde os machos podem ser detectados pelos seus comportamentos de corte com pequenos saltos e trinados. Existe actualmente um grande leque de colorações, existindo também aves com poupa e frisadas (muita raras). Actualmente são já uma presença habitual em quase todas as exposições e/ou campeonatos, uma presença mais do que merecida.

(*) Esta regra de se manter um casal por gaiola é um dos princípios mais básicos de toda a Avicultura e, salvo algumas justificadas excepções, deve ser sempre seguido de forma a conseguirmos os melhores resultados possíveis com as nossas aves.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: